Projeto CU É LINDO

Cura Gay
GEDSC DIGITAL CAMERA

Rio de Janeiro | 07 de Setembro de 2012 | CU É LINDO, CAPÍTULO 3: A CURA GAY, VERSÍCULO 2: O HASTEAMENTO DA BANDEIRA OU VERÁS QUE UM FILHO TEU NÃO FOGE A LUTA! | Foto: Ângela Bonolo

O processo criativo “CU É LINDO” foi iniciado em 2011 a partir das reflexões surgidas durante a realização da “Trilogia Venha Me Amar” (2008/2011). Bem como da potência da impossibilidade de deixar de falar sobre a abjeção do Cu, do silêncio histórico da homofobia, da moral social, do fundamentalismo religioso e da ocupação das ruas através da linguagem da performance e da pichação enquanto arte política e curativa.

No início de 2012, o projeto “CU É LINDO” ganhou as ruas na proposição da série de grafismos urbanos intitulada “Sentimentalidades Rupestres”. Nesta via de sentidos, a pichação “CU É LINDO” principiou por se tratar do nome do projeto e do foco do debate que estava sendo proposto à sociedade. Como fundamento desta ação e força de legitimidade enquanto arte e veículo de comunicação político/artístico lembramos da arte rupestre. Desde sempre, as paredes, muros e pedras foram suporte de expressão de sentimentos, registro histórico e comunicação. Assim, todos nós, semelhantes e descendentes desta mesma espécie, partilhamos desta memória social, artística e política. Ao longo dos milênios, vimos esta pratica ganhar vários contornos desde os egípcios, os povos pré-colombianos e, nos dias atuais, a pichação.

A pichação “CU É LINDO” fez enorme sucesso vindo a ganhar admiradores e parceiros de luta. Foi o surgimento dos multiplicadores, pessoas que espontaneamente começaram a replicar a pichação em questão, sendo para mim motivo de forte alegria e comemoração. Exceto alguns, que de forma extremamente capital tentaram privatizar os meus processos criativos, memórias afetivas e ideias teóricas. Também é imprescindível frisar que este processo criativo teve inúmeros afetos criativos e políticos, meus queridxs amigxs, que sem eles certamente nada teria acontecido. São muitos! Neste aspecto, desenvolvo uma estratégia de produção ao qual chamo de Mutirão Infantaria Amorosa, uma realizadora de projetos e sonhos.

Paralelamente a estes movimentos, também comecei a propor acontecimentos performáticos no espaço da cidade pondo em xeque a moral vigente. Neste momento, foi iniciada a serie performática “CU É LINDO”. Tais acontecimentos tem como centro do debate o Cu nas relações da cultura do ódio aos corpos dissidentes de sexo e de gênero, do fundamentalismo religioso, da negligência e exclusão do estado brasileiro e do tabu do Cu. Percebo, no meu desenvolvimento histórico, que a abjeção ao Cu está diretamente ligada a expressão da afetividade e ao exercício do erótico da homossexualidade.

Por fim, “CU É LINDO” é um projeto multiartístico em tecnicolor que revela meu processo de cura das violências e espancamentos que sofri ao longo de minha vida e uma homenagem aos sobreviventes e à memória dos que foram assassinados pela Homofobia, Lesbofobia e Transfobia.

A cultura do ódio aos corpos dissidentes de sexo e de gênero, o fundamentalismo religioso, a negligência e a exclusão do estado brasileiro e o tabu do Cu MATAM, mas também fazem nascer profundos valores criativos!

Uma ode ao amor!

CU É LINDO, CAPÍTULO 2: PONTO G – ROUBOS, TRAPAÇAS E PRIVATIZAÇÕES, VERSÍCULO 1: PÉROLAS – AO SE TOCAR NO CU O TODO É ALTERADO

Sem categoria

CARTAZ PEROLA FINAL

O Bem Me Cuir convida à todos para tomarem parte em alguns Transcenários, que estarão expostos de 14 a 17 de setembro de 2015, de segunda à quinta de 14:00 as 18:00 na COART da UERJ.

As inscrições serão feitas on-line pelo link: http://goo.gl/forms/jn398C89Tf, meramente para emissão de certificado, sendo tod@ mundo bem vindo a tomar parte, pelo tempo que quiser, em quantos Transcenários quiser.

Uma das vivências convidadas para fazer parte das Oficinas com Transcenário é:

CU É LINDO, CAPÍTULO 2: PONTO G – ROUBOS, TRAPAÇAS E PRIVATIZAÇÕES, VERSÍCULO 1: PÉROLAS – AO SE TOCAR NO CU O TODO É ALTERADO

A brincadeira é comer o outro com o requinte da fecundação de profundos valores criativos gerados na potência CUletiva, união criativa-afetiva-política. Vivência criativa, com duração de três horas, entre o abjeto e o belo, o amor e o ódio, onde o grande prato, do qual todos os convivas comem, são as aberrações e os absurdos cotidianos. Na emoção de lutar contra os roubos, as trapaças e as privatizações dos estados e manifestações da amorosidade, dos processos criativos, dos órgãos do corpo e das memórias afetivas, experimentaremos o “Yoga do Cu” como via de transformação, celebração e comunhão, tendo como fundamento a arte enquanto vida em ação. Movimentos antropofágicos CUir!
As ostras são “pessoas não-humanas” que vivem pelos mares. Quando algum corpo estranho, como grãos de areia, vermes, pedaços de coral ou rocha, penetra no seu interior, provoca-lhe enorme incômodo por lhe machucar e provocar inflamações. Incapazes de expulsar estes invasores, elas, as ostras, constroem as pérolas. Todos nós, pessoas, humanas ou não-humanas, ao longo do estar em vida nos esbarramos com os vermes ou os grãos de areias – podem ser outras pessoas ou situações – que nos provocam afetos tristes, inflamações do coração ou tempestades de noites selvagens. Fazendo caretas impróprias de tão apaixonadas, sentado na beira do precipício de águas correntes, lembrei de mim, das ostras e de ti. Também recordei daqueles que passam como uma brisa amorosa dando sabor a nossas vidas e daqueles que passam como vermes ou pedras e machucam e arrancam pedaços tão caros, tão importantes, que nos constroem outro. Os passarinhos cantam anunciando uma outra aurora, Fênix.

Vamos construir nossas pérolas? É um convite!

Por Kleper Reis Scarambone Zé Espindola Panamby Athey Almeida Costa Vitral Cury Gilda Bugard Isis Codeço de Urubus

Esta vivência faz parte da primeira edição de Oficinas com ‘Transcenários’, de arte participativa cujo foco prioritário é criar relações, e não objetos; que convida à co-autorias, que nega a necessidade comercial da arte. Para as oficinas e os diálogos teremos a participação de quatro artistas cuja vida se mistura com sua própria arte: Indianara Sophia Fênix, Ítala Isis, Kleper Reis e Mariana Scarambone. Transcenário s questionam essas novas posições dos artistas, obra e público, questionando inevitavelmente toda binaridade e dessa forma dialogando com as temáticas cuir.

O Cartaz foi criado de modo colaborativo. O CU da foto é de Kleper Reis e quem fotografou foi Renan Reis. A Ítala Isis deu uns toques maravilhosos que acalmou o desespero do Kleper. Agora, quando o Marcelo Bugard apareceu e meteu a mão com seu topete de designer… O Cartaz ficou assim como vocês podem ver, lindo!!!